Acervo digital é mais caro que o de papel


Em meio ao material de arquivo de Salman Rushdie em exposição na Universidade Emory, em Atlanta, há capas ilustradas de seus livros, diários escritos à mão e quatro computadores Apple (um deles arruinado por um incidente com uma coca-cola). Os 18 gigabytes de dados contidos neles parecem prometer aos futuros biógrafos e estudiosos de literatura um verdadeiro país das maravilhas digital: vastos arquivos organizados que podem ser facilmente pesquisados em poucos cliques.

Mas, como a maioria dos paraísos rushdieanos, esse idílio digital tem seu próprio conjunto de problemas. Como as bibliotecas e os arquivos de pesquisa estão descobrindo, o material “nascido digital” – criado inicialmente no formato eletrônico – é muito mais difícil e caro de ser preservado do que se supunha. Leia: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100317/not_imp525296,0.php

Anúncios

Sobre redarte

Bibliotecas, arquivos, museus de arte no Rio de Janeiro e em Niterói.
Esse post foi publicado em Confira e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s